Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘pequeno’ Category

o fio

As Parcas são três deusas chamadas de Moiras, cujos nomes são Clotó, a que fia, Láquesis, a que determina o comprimento do fio, e Átropos, a que corta o fio da vida.

A vida é meramente uma precipitação (um calefrio, hipertermia) da eternidade. Relâmpago riscado a giz por mão assustadoramente veloz.

Anúncios

Read Full Post »

alquimia

Minha mãe é minha primeira leitora. E, não, não é a mais exigente. Ela não gosta mesmo é que eu escreva palavrão, mas às vezes é preciso. Então, em vez de dar pra ela ler, leio pra ela. E, lendo, transformo merda em especiaria.

Minha mãe faz alquimias.

Read Full Post »

O tempo segue seco
e eu zapeio nuvens.

A chuva saiu de cartaz.

Read Full Post »

lágrima

Ela chorou em silêncio. Não deixou escapulir a lágrima e o sal.

Esterilizou a terra.

Read Full Post »

Ocorrem-me tendas, lonas, picadeiros, e eis, na sala de casa, o circo de minha infância aspergindo a esperança azul.

Às vezes toco nela com a ponta dos dedos e novamente jogo para o alto, soprando, soprando.

É bumerangue a esperança azul.

Read Full Post »

ressaca

Receita pra ressaca:

Uma jarra de água de coco (de vidro transparente ou cristal), mormaço, mergulho no mar, silêncio, discreto segredo e boas lembranças.

Read Full Post »

na casa dos m.a.w

Quando flagrou o olho de Brisa, a siamesa lilás, fixo no vaporeto, mamãe não teve dúvida: uma paixão de arregaçar a alma. Vinha notando o assanhamento há dias. Ontem à noite flagrou a gata enrodilhada no cano do aparelho, roçando o pelo contra o metal. O marido, no terraço ao lado, lê ‘Os Intelectuais na Idade Média’.
Mamãe fecha o Roth, bota Brisa no colo, eleva as duas patas da frente, e fala, olhando-a no olho de amêndoa: ‘Querida, aqui nós temos uma casa linda, ração de primeira, brinquedos da melhor qualidade, carinho que moveria um transatlântico. Mamãe e papai falam sânscrito e lêem os russos no original, porém quanto a sexo, forget about, viramos essa página. Você é sensível às frustrações, mami entende, porém perceba que não podemos ter tudo. A cidadania exige divisão de privilégios, e qualquer concepção de paraíso, blá blá blá…
Brisa, sem bater pestana, interrompe o discurso, atira-se sobre o vaporeto vermelho, e ele volta a deslizar pela sala, tremulando de contentamento – a enceradeira arroxeando de ciúme. No terraço, papai tira os óculos da cara, marca a página do livro com o polegar, volta a cabeça e estica o pescoço…

Read Full Post »

Older Posts »